.posts recentes

. Pacheca Superior 2015

. Ladeira da Santa Grande R...

. Casa da Senra Loureiro 20...

. Mirabilis Grande Reserva ...

. Palmer & Co Brut Réserve

. Villa Martino

. Permitido 2017

. Joseph Drouhin - Mâcon-Bu...

. Vale do Bonfim tinto 2016

. Vallado rosé 2017

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Novembro 2018

. Setembro 2018

. Maio 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Quarta-feira, 25 de Julho de 2012

Espinhosos - Branco 2011

Vinho Espinhosos
Tipo / Ano Branco 2011
Castas Avesso, Chardonnay
Região Regional Minho
Produtor A&D Serviços e Investimentos


Aspecto Amarelo
Nariz Frutado (branca, tropical, uva), mineral
Boca Começa por mostrar o seu corpo estruturado e com volume, assim como a sua textura cremosa e frescura média. Passeia-se na boca a espalhar sensações agradáveis por onde passa. O final não é longo, embora tenha boa persistência, com o retronasal frutado. A acidez confere vivacidade e apetência gastronómica.


Nota 16,5
Data Prova Julho 2012
Preço €6,80, Garrafeira do Jofre

 

O projecto tem raízes em Baião, na propriedade familiar Casa do Arrabalde, a que se juntou, em 2005, a Quinta Espinhosos. Reestruturadas as vinhas, as primeiras garrafas saem para o mercado em 2007 e 2009, respectivamente. Este vinho tem origem em uvas da Quinta dos Espinhosos, plantadas em solo granítico a uma altitude de 450 m.

O resultado é um verde diferente. O corpo volumoso e crocante, e a acidez média distinguem-no num primeiro impacto, mas também os aromas possuem um carácter muito próprio (fruta muito limpa). Parece ainda em afinação, mas já foi um grande prazer bebê-lo, pelo que recuperá-lo no início do Outono será mais do que adequado. Há vinhos que marcam, que se diferenciam, não se encaminham para o lote indiferenciado das memórias das dezenas de vinhos provados. Este é um deles, convida-nos a voltar e pagar os merecidos €6,80. Não se acompanhe com saladas, porque tem tudo para ligar com pratos de tacho ou forno; nem muita pressa no consumo, porque Setembro está já aí. Uma revelação e um vinho a não perder em 2012/13. Uma sugestão cirúrgica da Garrafeira do Jofre.

publicado por Ricardo Cruz às 18:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds