.posts recentes

. Vinha Maria 2017

. Pedra do Gato branco 2018

. Bye Bye Summer Wine Party...

. Fagote Grande Reserva 201...

. Pacheca Superior 2015

. Ladeira da Santa Grande R...

. Casa da Senra Loureiro 20...

. Mirabilis Grande Reserva ...

. Palmer & Co Brut Réserve

. Villa Martino

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Novembro 2018

. Setembro 2018

. Maio 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Sexta-feira, 9 de Março de 2012

Brancos 2011

Eles andam aí... As prateleiras já apresentam um novo número nas garrafas de vinho: 2011. A curiosidade comprou 2 garrafas lá para casa, Casal do Cerrado e Quinta da Alorna, mas a curiosidade não chega. A verdade é que a vontade de consumir brancos não acompanha o aumento dos apelos com origem nas prateleiras. Preciso de mais uns graus de temperatura meteorológica - ainda vou trabalhar de sobretudo vestido – para o peso deste tipo de vinho ganhar nova dimensão no meu consumo. Sublinho que sou adepto de brancos, nunca paro de os beber, como nunca deixo de beber tintos (harmonização oblige), mas reconheçamos a sazonalidade do consumo. Espreitei os frágeis apontamentos do Alorna 2010 e encontrei o adjectivo refrescante. Nesta altura conseguimos reconhecer a frescura de um vinho, mas sentiremos o que alguns brancos têm para nos proporcionar, como serem refrescantes? E será que mais umas semanas de garrafa têm um contributo positivo para dar à bebida? Nada como experimentar, claro... Já será altura para beber os famosos leves, frescos e frutados?

Para mim ainda não é hora, mas falta pouco... A hora é de chover, mas não passa de um mero impotente desejo.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 09:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds