.posts recentes

. Palmer & Co Brut Réserve

. Villa Martino

. Permitido 2017

. Joseph Drouhin - Mâcon-Bu...

. Vale do Bonfim tinto 2016

. Vallado rosé 2017

. Hexagon 2005

. Ultreia St. Jacques

. Valle Pradinhos rosé

. Ribeiro Santo Touriga Nac...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Maio 2019

. Novembro 2018

. Setembro 2018

. Maio 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011

Momenta vs Revista de Vinhos - O que é?

Há várias formas de aprender e evoluir, mas o contacto com quem sabe mais do que nós é das fórmulas de maior sucesso e mais utilizadas na história da humanidade. É, então, com naturalidade que decidi fazer um exercício comparativo entre as minhas impressões e as notas de prova que acompanham os vinhos que a Revista de Vinhos nos disponibiliza por €6,00 e que acompanham cada edição. O carácter masoquista deste exercício ofusca, tal a forma como luzes de néon fluorescentes o destacam, mas também a humildade é essencial ao desenvolvimento. No entanto, neste mundo do vinho não faltam motivos para justificar eventuais discrepâncias: a temperatura, os copos, a data de prova (com impacto na evolução do vinho), as viagens da garrafa, as condições de transporte e armazenamento, o nosso estado de espírito, etc... Optei por provar umas semanas após a compra, altura em que as notas de prova estão menos presentes na memória e apenas comparar após escrever as minhas próprias impressões. É uma abordagem possível; poderia optar por beber com a revista à frente e enriquecer a minha prova com as dicas dos especialistas, mas preferi este caminho. E vou segui-lo de forma determinada, sem cair em tentações, porque se há alguém que tem a ganhar com isso sou eu próprio. Pelo menos, assim o espero.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 11:34
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds