.posts recentes

. Pacheca Superior 2015

. Ladeira da Santa Grande R...

. Casa da Senra Loureiro 20...

. Mirabilis Grande Reserva ...

. Palmer & Co Brut Réserve

. Villa Martino

. Permitido 2017

. Joseph Drouhin - Mâcon-Bu...

. Vale do Bonfim tinto 2016

. Vallado rosé 2017

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Junho 2019

. Maio 2019

. Novembro 2018

. Setembro 2018

. Maio 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Segunda-feira, 1 de Abril de 2013

Contemporal Bairrada - Tinto 2006


Vinho Contemporal Bairrada Reseva
Tipo / Ano Tinto 2006
Castas
Região Bairrada
Produtor Adega Coop. Cantanhede

Aspecto Rubi, nuances alaranjadas
Nariz Frutado, especiado, balsâmico
Boca Entra suave. Corpo médio, taninos redondos, boa frescura. Polido, textura suave e algo gordurosa. Final médio, segue o perfil do nariz, elegante, com ligeira acidez volátil

Opinião Bom
Data Prova Março 2013
Preço €3,49, Continente

 

Mais uma vez, a marca própria do Continente não desilude. Um vinho da colheita 2006 em boa forma, suave, polido, com a Baga a mostrar o carácter Bairradino. O mais interessante é percebermos essa característica, mas sem perder a fruta, o que aponta para que a casta rainha da região esteja acompanhada neste vinho. Encontramos identidade e prazer na prova. Curiosamente, acompanhou umas almôndegas e não foi particularmente feliz na harmonização, já que o conjunto acabou por realçar o amargor da volátil. Por outro lado, 2 dias após a abertura continuava em boas condições de consumo. Gostei, embora seja mais recomendável para apreciadores do estilo. Não é um vinho consensual.

tags: ,
publicado por Ricardo Cruz às 14:11
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds