.posts recentes

. Monte São Sebastião Reser...

. Garrafeira dos Sócios dem...

. Parallèle 45 a mostrar o ...

. Quinta de Cidrô Touriga N...

. Vinha Maria 2017

. Pedra do Gato branco 2018

. Bye Bye Summer Wine Party...

. Fagote Grande Reserva 201...

. Pacheca Superior 2015

. Ladeira da Santa Grande R...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Maio 2021

. Maio 2020

. Abril 2020

. Dezembro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Novembro 2018

. Setembro 2018

. Maio 2018

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Sábado, 10 de Setembro de 2011

Férias 2011

O ano de 2011 fica marcado por problemas graves no mundo Ocidental, com especial destaque para a crise do Euro e, em Portugal, mais uma intervenção de instituições financeiras internacionais para evitar um default. Embora seja simbólico (o orçamento não é propriamente elevado), decidimos que as férias deste ano seriam em Portugal, uma forma de não contribuir para a saída de dinheiro do país. Considerando que o destino seria balnear e porque ainda era desconhecida, a opção foi a Costa Alentejana.

O alojamento foi no Monte Zambujeiro, mesmo ao lado de Vila Nova de Milfontes, cheio de simpatia física e pessal. A opção por um alojamento deste género teve origem na necessidade de termos uma base doméstica (principalmente por causa da pequena) e pela intenção de jantarmos “por casa”, após dias de praia que se previam extenuantes, com os inevitáveis churrascos de verão.

O factor meteorológico ajudou. Dia 01/08 foi de viagem e coube-nos a companhia de céu nublado e chuveiros ocasionais até Santarém e chuvadas mais fortes a sul da mesma. Para quem não tinha ar condicionado disponível, não me posso queixar da sorte. Após o check-in, o tempo aliviou e ainda conseguimos dar uma volta em Milfontes, fazer umas compras e provar uns caracóis (aprovados pela família toda). Os dias de praia decorreram com céu pouco nublado e um vento de intensidade baixa que mantinha as temperaturas num nível agradável. Bom, e quando é que o mau tempo voltou? No dia de regresso. Que sorte!

 

 

Passar uns dias na zona de V. N. Milfontes e não visitar as praias mais próximas seria um desperdício, portanto, se reservámos o primeiro dia para as praias da Vila, o roteiro foi o passo seguinte. Praia do Malhão, Furnas, Almograve e Samoqueira (já em Porto Covo) dividiram a necessidade de água com a piscina do Monte. São, de facto, prendas encantadoras das escarpas aos mortais que queiram recuperar de um ano de trabalho e escurecer o tom de pele, num enquadramento de beleza natural inesquecível. Compreendi facilmente a paixão que esta zona desperta em tanta gente e o brilho nos olhos quando falam do Alentejo, face à relativa neutralidade que desperta o nosso Algarve. A impressão mais forte que as praias deixaram foi diversidade. Mesmo com aspectos estruturais semelhantes, as praias são todas diferentes e despertam sensações distintas no mesmo veraneante; algumas até apresentam diferenças intrínsecas. A nossas preferidas foram as do Malhão (foto 1), Almograve e Samoqueira, essencialmente pelo mar. Malhão pelas suas ondas baixas que deslizavam metros e metros praia acima; Almograve pelas adoráveis “pocinhas”, que proporcionam passeios deliciosos na água; e Samoqueira por uma extraordinária pequena lagoa que se formou por algumas horas e fez as delícias da pequena.

 

Ainda houve oportunidade para visitar locais obrigatórios. Após umas horas em Almograve, aproveitámos para procurar as cegonhas do Cabo Sardão (belo e impressionante) e lanchámos em Odemira, a muito simpática e inclinada sede concelhia. Porto Covo era local de passagem obrigatória e foi onde almoçámos antes da tarde de praia na Samoqueira (foto 2). Conquistou-nos. Na viagem final de regresso, um pequeno desvio levou-nos à praia da Ilha do Pessegueiro, onde apreciámos a vista ao almoço.

Deixamos sempre coisas por ver e fazer, mas para uma estadia de 5 noites não foi nada mau. Foram umas férias muito agradáveis e retemperadoras numa região encantadora que se recomenda a qualquer pessoa.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 19:43
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds