Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Palmer's & Co Vintage 200...

. Quinta do Carmo 2014

. Dona Maria 1974

. Bafarela Grande Reserva 2...

. Quinta Cidrô Boal 2014

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Visita à 23ª Feira de Vinhos do Dão

 

 

A edição 2014 da Feira de Vinhos do Dão aconteceu entre 05 e 07 setembro. Tive a felicidade de poder passar lá no sábado, dia em que a chuva ameaçava aparecer a todo o momento, mas não cumpriu a ameaça nas duas horas que lá estive. A viagem foi familiar, portanto, não podia esperar uma sessão muito prolongada; mesmo assim, devo ter visitado perto de uma dezena de produtores e valeu bem a deslocação.

A expetativa era muito clara, ia para o reino das castas Encruzado e Touriga Nacional, duas das minhas favoritas, portanto, tinha tudo para provar muitos vinhos do meu agrado. Não é objetivo deste post detalhar as provas, mas deixar o registo das principais reflexões.

 

 

Espaço: a praça junto ao município de Nelas é um espaço muito agradável, o acesso é fácil e estacionei relativamente perto. Na própria feira tudo está próximo, temos sombras, árvores e alguns bancos para quem se quiser sentar. Transmite uma sensação de conforto e bem estar muito positiva.

 

 

 

 

 

Produtores: vejo o Dão essencialmente como um conjunto de pequenos produtores, muitos dos quais sem dimensão para os grandes canais de distribuição. Esperava ver nomes desconhecidos e o portfolio completo de outros com distribuição parcial. Se os nomes desconhecidos abundaram, a segunda parte aconteceu de forma pontual, porque, naturalmente, os vinhos disponibilizados para prova são os que pretendem vender e partes do portfolio ficam nas prateleiras mais escondidas para dar a provar a alguns ilustres privilegiados (situação recorrente em certames do género).

 

Vinhos: encantei-me com a grande quantidade de varietais de Encruzado e a diversidade no perfil. Provei uns mais frescos, outros mais minerais, outros com barrica e outros mais fechados, muito interessante. No entanto, o encanto de beber um Encruzado coloca-a, sem qualquer dúvida, no top das castas brancas nacionais (a par com o Alvarinho). Em termos de gosto pessoal, vejo-a com grande potencial para vinhos estagiados em madeira, dadas as acidez, complexidade e estrutura que a casta oferece a quem a quiser trabalhar. Simplesmente maravilhado e rendido.

 

 

 

Nos tintos, senti alguma constância no perfil aromático, com variações mais notórias na intensidade. O que mais se destacou foi a distinção entre segmentos. Se a elegância é o traço forte do caráter da região, à medida que avançamos nas gamas dos vinho as perceções na boca mudam de forma notória. A estrutura de taninos é mais notória na gama média e nos topos de gama temos vinhos apaixonantes, encorpados, quase mastigáveis, com texturas aveludadas da perfeita ligação dos diversos componentes. Encontrei os esperados varietais de Touriga Nacional e uma boa surpresa: Alfrocheiro. Desta, provei alguns que se mostraram vinhos ricos e estruturados, embora menos exuberantes nos aromas face à sua vizinha. Esperava mais Jaen, mas acredito que não tenha ido ao sítios certos para esta casta. Em alternativa, podem ter optado por não os apresentar.

 

 

 

Um evento muito bom, num espaço agradável e com bons vinhos, portanto, quem não desejaria voltar? A dimensão média da feira permite visitar todos os produtores numa abordagem sistemática, tipo começar numa ponta e acabar noutra, embora seja aconselhável um dia inteiro para esse objetivo - mas é alcançável. Nos vinhos, prazer na prova e elegância é o que se deve destacar. E com essas características, como é possível não gostar dos vinhos do Dão? Não os colocar nas nossas preferências? Grande desafio para a região: fazer chegar os seus vinhos a outros locais, pelo menos, do país. Mesmo num país em que 40% dos vinhos vendidos sejam Alentejo.

 

 

 

publicado por Ricardo Cruz às 18:27
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De numadeletra a 9 de Setembro de 2014 às 20:53
Interessante.

Continuação de boa semana.

Um abraço.
De Ricardo Cruz a 10 de Setembro de 2014 às 08:53
Olá e obrigado pela visita.
Estes eventos podem ser muito pedagógicos, para quem quer aprender. A variedade e o contacto com os produtores ajudam muito. Em alternativa, também servem para beber quantidades significativas de borla...
Abraço e bom resto de semana.

Comentar post

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds