Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Campolargo branco 2012 e ...

. Espumante Aliança Tinto

. Esporão Reserva Branco 20...

. Herdade das Servas Tourig...

. Feijoada com Maria de Lou...

. Crasto 2010 e um coelho p...

. Relógio de Sol Tinto e Ar...

. Sagrado rosé 2013 e uma f...

. Aguião tinto e coelho pan...

. Orquestra tinto e um arro...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Sexta-feira, 7 de Outubro de 2016

Campolargo branco 2012 e bacalhau no forno

V_Campolargo_Br_2012.JPG

A refeição seria um bacalhau no forno. Um prato rico, portanto, uma oportunidade para um branco mais potente, maior complexidade e textura. Este Campolargo estava na garrafeira a descansar um pouco e enquadrava-se no perfil. Avançou e muito bem. A cor mostrava um amarelo carregado, o que fez temer pelo estado do vinho. No nariz, boa intensidade aromática e a complexidade esperada: fruta madura, parafina, frutos secos e panificação. Na boca, mostrou-se encorpado, alguma cremosidade e excelente frescura. Terminou bem longo e persistente. O vinho estava mais evoluído do que esperava, mas num ótimo ponto de degustação.

V_Campolargo_Br_2012_prato.JPG

A harmonização correspondeu. Perfeita harmonia na boca entre comida e vinho, mesmo a excelente acidez encaixou muito bem no prato. Mais um belo momento.

publicado por Ricardo Cruz às 13:39
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Agosto de 2016

Espumante Aliança Tinto

V_Aliança tinto.JPG

 Um picnic familiar na praia fluvial de Campia (Porto de Várzea) proporcionou a prova de um grande clássico dos espumantes tintos. O almoço incluiu um pouco de leitão e o bar local tinha este espumante disponível, portanto, foi feliz companhia para os pedaços do pequeno porco.

O espumante apresentava uma cor rubi bem concentrada, no nariz um perfume frutado e floral surpreendeu-me, bem frasco e elegante na boca, bolha fina, e final médio. Estava a aguardar que características de Baga dominassem o perfil, no entanto, acabei inclinado para a Touriga Nacional. Não sei que castas tem, pode nem ter TN, mas foi o que me fez lembrar...No global, foi um espumante que deu bastante prazer beber, bela companhia de improviso num momento familiar.

publicado por Ricardo Cruz às 14:09
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 13 de Maio de 2016

Esporão Reserva Branco 2011 com bacalhau

Esporao_Res_Br_11.JPG

O repasto iria ser um bacalhau no forno. Achei que era a oportunidade de pegar num branco mais complexo e cremoso. Complexo pela riqueza de sabores do assado e cremoso pelas texturas, dada a consistência do bacalhau. Pensei em Alentejo e na cave estava o Esporão reserva branco de 2011, que me pareceu encaixar no perfil.

Esporao_Res_Br_11_Prato.JPG

O que não falta é surpresas no mundo do vinho e desta vez aconteceu meia. O vinho estava em grande forma, como era de esperar de uma das melhores opções para o preço, o que não esperava é que estivesse como novo. Aromas a fruta tropical, coco e fumado de barrica; na boca, acidez vincada, corpo médio, frescura lá para cima. Bom final. Resultado, o vinho estava demasiado jovem, com acidez muito potente para o meu objetivo. Após aquecer um bom bocado aproximou-se do perfil pretendido e harmonizou bem. Mas fiquei impressionado com a juventude deste vinho, é uma das desgustações 2016 mais difíceis de esquecer. Grande vinho, ainda muito tempo pela frente.

 

 

 

publicado por Ricardo Cruz às 17:40
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Abril de 2016

Herdade das Servas Touriga Nacional 2013

V_Herdade Servas_TN_T13.jpg

Estava programado um almoço no Restaurante da Herdade das Servas, que seria bacalhau à Servas: bacalhau frito com cebolada. Estamos perante um prato com bastante gordura, portanto, procurei um vinho fresco e estruturado. Dentro dos vinhos do produtor, a opção foi pelo Touriga Nacional. E correu muito bem.

Gostei imenso do vinho e não é preciso dizer muito para o suportar. O aroma mostrava de forma muito límpida o floral da casta, na boca equilíbrio perfeito, taninos presentes, mas redondos, bem envolvidos no corpo, final médio. Foi um momento muito bom, com um vinho que mostra muito bem a Touriga Nacional no Alentejo e uma harmonização com sucesso, já que vinho limpava o palato de toda a gordura do prato.

 

publicado por Ricardo Cruz às 13:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015

Feijoada com Maria de Lourdes Branco

 Maria Lourdes_BR_10.JPG

Um prato que me aparece com muita frequência ao fim de semana é feijoada, neste caso, versão Tripas à Moda do Porto. Normalmente acompanho com vinho rosado com algum corpo, porque gosto da ligação de texturas. Mas a ideia não é ficar agarrado às mesmas harmonizações quando há tantas alternativas para testar. Esta opção era mais ou menos fácil de chegar, porque um branco mais elaborado com alguns anos acaba por suavizar um pouco a frescura da acidez e a textura mostra-se mais. Este Maria de Lourdes 2010 estava lá por casa e correspondia ao perfil, portanto, a rolha saltou e avançou-se com a harmonização.

O vinho estava em belíssima forma. Além de aroma ainda frutado, mas já com mais fruta branca do que tropical, com a ligeira mineralidade do Douro, a frescura na boca mantinha-se presente e equilibrava muito bem a textura mais cremosa do corpo. Termina longo, elegante, guloso, encantador.

Maria Lourdes_prato.JPG

A harmonização correspondeu positivamente. A ligação de texturas funcionou da mesma forma e quando a temperatura subiu um pouco ficou perfeita. Se o vinho estiver demasiado frio, o conjunto vinho e comida acaba por realçar a acidez e perde um pouco a elegância.

publicado por Ricardo Cruz às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2015

Crasto 2010 e um coelho panado

V_Crasto_T_10.JPG

O almoço seria coelho panado, o que convidava a escolher um tinto. Estamos perante uma carne com sabor pouco forte, pouco marcado, portanto, tanto poderia pensar num tinto mais poderoso como noutro mais suave. O Crasto 2010 estava há 2/3 anos na cave para polir um pouco, suavizar a acidez e os taninos. Não sendo um vinho de guarda longa, decidi abrir. A cor mostrou um rubi perfeito, bem definido; no nariz encontrei o perfil frutado e floral característico do Douro, numa versão mais madura, mas ainda limpa. Na boca, corpo médio, taninos finos, bem envolvidos, toque de frescura, mas com a acidez já domada. Bom final, agradável, persistente. Ainda poderia ter ficado mais um ano ou dois para o ponto ótimo, mas estava num belo momento e deu muito prazer. Gostei bastante, foi boa opção esperar uns tempos. Para o meu gosto, claro.

V_Crasto_T_10_Prato.JPG

A harmonização foi a esperada, boa ligação, sem sobreposições. No entanto, mesmo com o tempo de descanso, a acidez ainda ficava em destaque no final. Nada que comprometesse o sucesso. Foi mais uma refeição muito agradável em família.

publicado por Ricardo Cruz às 13:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 30 de Outubro de 2015

Relógio de Sol Tinto e Arroz de Carnes

Relogio_Sol_Vinho.JPG

Este vinho foi um achado. Estava estacionado na prateleira da Garrafeira Vinho e Prazeres quando decidi pegar nele. Que boa decisão. Um vinho não filtrado, que se mostra totalmente polido, com o lado frutado e floral que tantas vezes encontramos no Vinho do Porto. Um encanto, em especial para quem gosta de vinho mais evoluídos, quando chegam ao ponto de complexidade, polimento nos taninos, integração na acidez, ou seja, elegância, finesse, sedução, encanto. Eu adoro este perfil. E foi assim que tratei de açambarcar as garrafas que ainda lá estavam, até que, com esta, cheguei ao fim do stock.

Relogio_Sol_Prato.JPG

A harmonização foi com uma arroz de carnes, que, em experiências anteriores, mostrou a melhor liação com este perfil. Assim, repetiu-se a ligação e o respetivo sucesso. Não há dúvida que quando vinho e comida "encaixam" na boca, o prazer de uma refeição sai muito, muito reforçado.

 

publicado por Ricardo Cruz às 18:14
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Setembro de 2015

Sagrado rosé 2013 e uma feijoada

Sagrado_R_13_vinho.JPG

Uma prova com uma história. O almoço de um destes domingos foi em família, como tantos outros, mas com um objetivo bem específico: falar um pouco de desenvolvimento pessoal, em particular de um conceito de Robin Sharma, Hoy Hour. Ou seja, pretendia-se falar deste conceito, o que foi o pretexto perfeito para se organizar um almoço. O anfitrião anunciou uma feijoada (de feijão branco) portanto, tratei de preparar um rosé, a minha harmonização preferida no momento. Das várias experiências, o rosado da Quinta do Sagrado foi uma das melhores, portanto, repeti. Cor rosa, aromas com alguma complexidade, em que uma ligeira especiaria aparece a dar um caráter diferente. Na boca fresco, claro, corpo médio e textura com alguma untuosidade. Final fresco e elegante.

Sagrado_R_13_prato.JPG

Gosto da ligação de alguns rosados com este prato pela ligação de texturas. Um rosado mais alcoólico, encorpado, mostra uma untuosidade que liga muito bem com o feijão e o molho. Se a acidez estiver domada, a harmonia fica ainda melhor, ou seja, quando o conjunto realça a acidez, a harmonização não é tão feliz. Estou a escrever e a lembrar-me de um ou 2 brancos que tenho em casa que também podem funcionar muito bem. Os 14º deste Sagrado e uma temperatura correta (não demasiado fresca) são, certamente, fatores importantes no sucesso.

publicado por Ricardo Cruz às 19:51
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015

Aguião tinto e coelho panado

Aguiao_14_vinho.JPGAlmoço de sábado com coelho e dia de calor. Repetiu-se o perfil da semana anterior, ou seja, um verde tinto. Tinto para carne rica do coelho e verde pela sua frescura e vantagem de o podermos refrescar.

 O tinto Aguião é um varietal da mais utilizada casta tinta na região: vinhão (no Douro é conhecida por sousão) e um dos mais reconhecidos e aclamados verdes tintos. A verdade é que quando o bebemos sentimos alguma diferença face à grande maioria dos seus pares. Os aromas são os da casta, mas, além das notas de lagar, não se mostrou muito frutado, mas mais complexo e com alguma especiaria a espreitar. Corpo médio, mas bem estruturado, com taninos bem presentes e muito ligeira aresta. O seu ponto forte é o equilíbrio ácido. É super fresco na boca, mas a acidez está envolvida com os restantes componentes, não sobressai, é mais um elemento do conjunto. Final elegante, equilibrado, prazeroso. Muito bom, gostei muito.

Aguiao_14_prato.JPG

A harmonização foi impecável. Uma convivência harmoniosa entre vinho e comida na boca, sem preponderância de um ou outro até ao final. Equilíbrio e sabor = prazer. Belo momento de degustação.

publicado por Ricardo Cruz às 13:26
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Setembro de 2015

Orquestra tinto e um arroz de pato

Orquestra_T_08_Vinho.JPG

Anunciava-se um jantar de família com arroz de pato. Este prato não tem sabor muito forte e tanto a textura da carne como a do arroz cozinhado na calda do pato é mole. A minha preferência atual vai para uma harmonização com vinhos tintos velhos/evoluídos. Dado ser dia de semana, não tinha tempo para preparar um vinho desse perfil, portanto, recorri ao que estava mais à mão e este 2008 era a melhor opção disponível (saiu há uns meses com a Revista de Vinhos).

Gostei muito do vinho, com fruta bem definida no aroma e boca com sensação de volume e taninos bem finos e integrados. Saboroso, ligeiro docinho, muito agradável na boca, ficamos com o palato a pedir mais. No final ainda temos um pouco de acidez a mostrar-se. Muito bom.

Orquestra_T_08_Prato.JPG

Em termos de harmonização cumpriu. Ligou bem na boca, mas no final (retronasal) a acidez saía realçada (por vezes fazia aquela subida ao nariz...), que impediu sucesso total. Mais uma vez, a ideia de um tinto mais velho ficou reforçada. Mas ainda vou experimentar com um branco encorpado e com alguns anos, tenho a impressão de que também vai correr bem.

publicado por Ricardo Cruz às 13:34
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Setembro de 2015

Sidónio Sousa Super Reserva e Leitão

Sidonio_Esp_T.JPGEra um dia especial, festa de aniversário. Tive o privilégio de chegar, sentar e degustar, em articulação com o anfitrião e parceiro enófilo. Para o leitão, preferência da aniversariante, o espumante é companhia tradicional, desta vez na versão tinta.

O eleito foi o espumante tinto de Sidónio de Sousa, produtor bairradina, terra de grandes espumantes e não menos famosos leitões. Um varietal de Baga mostra rapidamente as suas características. Temos cor rubi muito concentrada, já com ligeiro alaranjado, aromas ainda com fruta, mas com o lado especiado e terroso a mostrar-se. Mousse na boca, frescura, equiíbrio, sabor, tudo bem. Em boa forma, gostei muito.

Sidonio_Esp_T_Leitao.JPG

A harmonização é um clássico, para a gordura do leitão escolhe-se a acidez do espumante. Há clássicos aos quais não precisamos de acrescentar nada.

publicado por Ricardo Cruz às 13:21
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 1 de Setembro de 2015

Plainas Vinhão - tinto 2014

Plainas_T_14.JPGPlainas é um vinho produzido em Atei, Modim de Basto, na região dos vinhos verdes, mas bem ao lado do alvão, ou seja, na fronteria com Trás os Montes. Bebi a edição mais recente do seu tinto e foi um ótimo momento de degustação. O vinho mostra as características habituais da região e da casta. Aroma com boa intensidade, perfil vegetal e com notas de lagar no início, mas, com o arejamento, mostrou o seu lado mais frutado. Na boca a intensidade dá-lhe sensação de volume, mostra estrutura constituída por taninos finos e redondos, bem como uma ótima frescura em equilíbrio ácido perfeito. Termina médio e muito prazeroso. Fiquei com duas sensações bem fortes após a prova. Primeiro, temos tintos dos Vinhos Verdes que devem ser abordados da mesma forma que os tintos das outras regiões (despir preconceitos); segundo,  o equilíbrio que encontrei entre acidez e taninos fez-me pensar em potencial de evolução e fiquei muito curioso sobre como estará este vinho daqui a 2 e 4 anos.

Plainas_T_14_prato.JPGA harmonização seria com uma carne estufada e terminada no forno, portanto, um tinto seria o ideal. Como decorre o mês de agosto e uns dias de calor, bem como o trimestre de verdes e espumantes, lembrei-me de tentar um verde tinto. E foi um sucesso. O vinho tinha intensidade e estrutura para a carne, portanto, harmonizou como outro tinto de gama média. Acresce a vantagem de o bebermos refrescado, portanto, não temos a sensação de peso que alguns tintos provocam no verão.

Quem gosta de tintos e sente que o calor retira algum prazer cá está a alternativa: tintos da região dos vinhos verdes. Mais leves, frescos e com todo o potencial gastronómico.

 

publicado por Ricardo Cruz às 13:25
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015

Casa Senhorial do Reguengo e Coelho panado

 Senhorial Reguengo EB_Vinho.JPG

O almoço seria coelho, carne que normalmente aproveito para ligar com tintos mais encorpados e taninosos. No entanto, estou no trimestre de verdes e espumantes, portanto, lembrei-me do espumante tinto extra bruto da Casa Senhorial do Requengo que estava a aguardar o momento certo para ser comprado.  É um dos melhores produtores de espumantes na região dos Vinhos Verdes e este tinto um ex-libris da casa (cerca de €12,50, na Garrafeira Vinho e Prazeres).

Revelou-se um belo espumante. A cor era rubi muito concentrada, opaca, a remeter-nos de imediato para a casta vinhão, rainha dos tintos da região. O nariz mostrou-se mais contido, mas na boca o vinho mostrou toda a sua qualidade. Sensação de volume, cremosidade e uma acidez em equilíbrio perfeito, que conferiu uma frescura exemplar. Muito bom, gostei muito, a reforçar o meu gosto crescente por espumantes tintos. São uma opção gastronómica muito interessante, pela versatilidade, alguma consensualidade entre as pessoas com quem partilho estes momentos e efeito de leveza no estômago que o espumante consegue.

Senhorial Reguengo EB_Prato.JPG

A harmonização foi muito boa, com destaque para a boa ligação entre a cremosidade do espumante e a suavidade da carne do coelho. Já ao nível de sabores o vinho estava um pouco mais forte do que o prato. Globalmente foi muito bem conseguida, os espumante são de uma versatilidade (repito...) magnífica.

publicado por Ricardo Cruz às 13:31
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015

Quinta do Gradil Reserva Tinto e uma costelinha

Gradil_Reserva.JPG

Almoço de família ao fim de semana é oportunidade para provar algo novo e praticar as harmonizações. Nada de muito complicado, umas costelinhas de take away grelhadas em forno elétrico. Embora a carne de porco possa sair um algo seca, a parte da costela tem um pouco mais de gordura; por outro lado, são bocados pequenos que comemos aos poucos. Assim, pensei num perfil de tinto fresco e não muito encorpado. A primeira opção foi verde tinto, mas não tinha nenhum em casa nem tempo para comprar e refrescar. O que estava em casa era este Gradil Reserva 2010, que saiu com a Revista de Vinhos de julho. A região de Lisboa apresenta, sem dúvida, frescura e os tintos que conheço não são pesados. Sendo assim, avançou.

Cor muito intensa, determinada pela presença de castas tintureiras como Syrah e Alicante Bouschet certamente, aromas dominados por um perfil mais torrado e fruta preta. Boa frescura equilibrada na boca, corpo médio, taninos finos e com final médio e persistência via acidez. Gostei.

Costelinha_Gradil.JPG

A harmonização foi um sucesso, já que vinho e comida conviveram muito bem na boca. Apenas no final a acidez marcou um pouco. Mas num vinho jovem...

publicado por Ricardo Cruz às 17:25
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Abril de 2015

Trimbach Riesling e Açorda Marisco

V_Trimbach_Br_11.jpg

A primeira vez que bebi este vinho foi num jantar do 4 Horas à Mesa com a Decante Vinhos, onde provámos alguns vinhos estrangeiros do seu excelente portfolio. Este foi um dos que se destacaram e o meu cunhado compincha destas aventuras vínicas comprou algumas garrafas. Proporcionou-se jantarmos juntos e, graças a um precalço na minha agenda que me impediu de levar o Encruzado da Quinta dos Roques que queria, colocámos este riesling em cima da mesa. O resultado foi ótimo, com o vinho a mostrar os aromas minerais que se espera da casta, mas também nuances de cera. Na boca mantém uma frescura exemplar, com corpo mediano, bom equilíbrio e final médio. Gostei muito do vinho, está em bela forma, com muito para dar em termos de longevidade, a proporcionar muito prazer na prova.

Açorda_Marisco.jpg

Harmonização: Para jantar teríamos uma açorda de marisco. Concordámos que seria um branco, mas com algum corpo e complexidade para acomodar o prato. O vinho esteve muito bem, os temperos não chocaram nada com a sua mineralidade e mostrou presença suficiente para a textura do pão. Boa harmonização e correspondente momento de degustção e conversa.

Como vou recordar este vinho: Um riesling muito atraente, que começa a mostrar os aromas associados à casta. Muito bom.

Vinho Trimbach Classic Riesling Produtor Trimbach
Tipo / Ano Branco 2011 Opinião Muito bom
Castas Riesling Data Prova abril 15
Região Apéllation Alsace Controlée Preço 13,50 €

 

 

publicado por Ricardo Cruz às 13:29
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds