Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Crasto 2010 e um coelho p...

. Varietais de Arinto - vi...

. Guarda de vinhos - o iníc...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Quinta-feira, 5 de Novembro de 2015

Crasto 2010 e um coelho panado

V_Crasto_T_10.JPG

O almoço seria coelho panado, o que convidava a escolher um tinto. Estamos perante uma carne com sabor pouco forte, pouco marcado, portanto, tanto poderia pensar num tinto mais poderoso como noutro mais suave. O Crasto 2010 estava há 2/3 anos na cave para polir um pouco, suavizar a acidez e os taninos. Não sendo um vinho de guarda longa, decidi abrir. A cor mostrou um rubi perfeito, bem definido; no nariz encontrei o perfil frutado e floral característico do Douro, numa versão mais madura, mas ainda limpa. Na boca, corpo médio, taninos finos, bem envolvidos, toque de frescura, mas com a acidez já domada. Bom final, agradável, persistente. Ainda poderia ter ficado mais um ano ou dois para o ponto ótimo, mas estava num belo momento e deu muito prazer. Gostei bastante, foi boa opção esperar uns tempos. Para o meu gosto, claro.

V_Crasto_T_10_Prato.JPG

A harmonização foi a esperada, boa ligação, sem sobreposições. No entanto, mesmo com o tempo de descanso, a acidez ainda ficava em destaque no final. Nada que comprometesse o sucesso. Foi mais uma refeição muito agradável em família.

publicado por Ricardo Cruz às 13:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

Varietais de Arinto - vinhos de guarda?

Em 2012, tive oportunidade de beber dois vinhos varietais de arinto com origem em Bucelas e fementação e estágio em madeira: Quinta do Boição Reserva 2010 e Morgado Sta. Catherina Reserva 2010 – não tenho fichas técnicas, portanto, não posso detalhar eventuais diferenças de vinificação. Gostei muito de ambos os vinhos e a casta mostrou-se muito bem nestas versões; claro que o trabalho das equipas de viticultura e enologia teve papel fundamental. A frescura mantém-se bem elevada, no entanto, a textura é suave, o que torna o vinho mais sedoso e agradável na boca, bem como parece suavizar o final. Ainda encontrei um quiosque com um Quinta do Boição Reserva (saiu com a RV há uns meses), que irá descansar uns 2/3 anos, altura em que espero poder avaliar 2 expectativas: bouquet (os aromas pareciam em fase de ligação) e textura (reforçar a cremosidade).

Pelos escritos que li sobre a matéria, as castas brancas nacionais com longevidade mais reconhecida são alvarinho e encruzado, no entanto, a acidez da casta arinto faz-me apostar (embora 3 anos não sejam nada...). De notar que, para os lados da Bairrada, a família Pato está a lançar a Bical como casta resistente à passagem do tempo. Por enquanto, o melhor é saborear a frescura das casta branca mais transversal do país; quanto ao resto, esperar...

publicado por Ricardo Cruz às 11:03
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Terça-feira, 4 de Setembro de 2012

Guarda de vinhos - o início

 

Nos últimos meses, a sensação de que se bebem alguns vinhos tintos muito cedo tem vindo a ganhar peso na minha vivência desta extraordinária bebida. Começou com alguns de gabarito que despertaram a simples pergunta: como evoluirá?; entretanto, aparece informação sobre a relação entre longevidade, acidez e estrutura, que acrescentou um novo ângulo na degustação.

Um apreciador certamente valoriza provar um vinho no auge, mas quem sabe o que isso é? Será que todos o consideram o auge, sendo o prazer da degustação algo tão subjectivo? Existe um auge técnico? Eu não sei, só tenho dúvidas. Nesta primeira experiência, juntei um grupo de vinhos que, parece-me, podem melhorar com a passagem do tempo e procuro 3 coisas nos tintos: desenvolver o bouquet, arredondar os taninos, suavizar a acidez. Não tenho a certeza que a guarda o faça, mas logo veremos quando chegar a hora... Também estão lá alguns alvarinhos, casta de reconhecida longevidade potencial.

Não são de vinhos de topo, mas maioritariamente de guarda média, pelo que a partir de 2014 algumas rolhas vão saltar. Espero que o sossego e os 21º dos arrumos contribuam de forma positiva.

publicado por Ricardo Cruz às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds