Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

. Framingham Classic Riesli...

. Quinta do Vallado Field B...

. Herdade dos Grous 23 Barr...

. Le Bourgogne - Chardonnay...

. Vega Sicília Único 2003

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Quinta-feira, 24 de Março de 2016

Taylor's 10 anos

V_Taylors_10_anos.JPG

 Nas refeições do fim de semana, a presença de um vinho de sobremesa é da praxe. O último que provei foi este Taylor's 10 anos (categoria especial da família Tawny), muito bem acompanhado por umas amêndoas. Estamos perante uma das mais reconhecidas casas de Vinho do Porto, com alguns Vintages pontuados com 100 pontos.

A gama 10 anos mostra-se muito interessante, porque estamos em preços razoáveis e já temos uma boa amostra do perfil de um tawny. Esta é a versão engarrafada em 2015 e mostrou bastante elegância. Nos aromas, o caramelo é dominante, mas acompanhado por notas de frutos secos. A boca é bem fresca, com textura cremosa e corpo mediano. Termina médio e elegante. Um vinho muito apelativo, agradável e que proporciona bastante prazer na prova. Gostei muito.

publicado por Ricardo Cruz às 14:10
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Março de 2016

Monte dos Amigos Premium - Tinto 2014

V_Monte Amigos_T_14.jpg

Comprei este vinho numa promoção de um hipermercado. Aquelas maluquices de x%: neste caso, custaria €9,90, preço de promoção €3,99. Como anunciava estágio em madeira e castas Alicante Bouschet, Touriga Nacional e Touriga Franca pareceu-me que €4,00 seria uma boa opção para um vinho de segmento médio/alto.

Com a presença de castas atualmente muito utilizadas na região (Alicante Bouschet e Touriga Nacional), não estava à espera de grandes surpresas, mas estava enganado. Este vinho surpreendeu-me.

Na degustação, o nariz começou por mostrar os frutos vermelhos e, em segundo plano, alguma especiaria. Na boca: boa frescura, corpo médio e taninos bem envolvidos, com presença que se notava mas muito amigável. O tempo de arejamento fez o seu trabalho e o perfil começa a mudar, uma fruta mais fresca começa a aparecer e sinto alguma alternância entre aromas. A certa altura pensei em Vinho do Porto, primeiro no nariz e depois confirmado na boca. Estava a beber um vinho Alentejano que me fazia lembrar Vinho do Porto. Não digo Douro, mas sim Porto. Fiquei baralhado, surpreendido, enfim, foi uma novidade. Mostrou estar ainda em integração, mas a qualidade das uvas e da vinificação permitiam distinguir momentos com predomínio das Tourigas e momentos mais marcados pelo Alicante Bouschet.

Bom, é preciso tirar teimas, portanto, comprei outra garrafa e vai descansar 5 anos para vermos como evoluirá o vinho. Sem dúvida, o vinho é muito bom, muito agradável na bebida e boa companhia à mesa. Gostei, mesmo que a memória mais forte seja a surpresa acima referida.

publicado por Ricardo Cruz às 13:43
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Março de 2016

Monte da Raposinha - Tinto 2012

V_Monte_Raposinha_T_12.JPG

No trimestre do Alentejo 2016 passou pela mesa este tinto de 2012. Foi elaborado pelo produtor com o mesmo nome e enologia de Susana Estéban, da zona de Montargil. Identifica algumas das castas mais utilizadas atualmente na região: Touriga Nacional, Syrah e Alicante Bouschet. O preço fica abaixo dos €10,00.

Gostei muito do vinho, que me despertou uma sensação interessante. Enquanto acompanhava mais um belo almoço de domingo, a minha atenção focou na frescura e na presença notória de taninos (muito amigáveis) E lá refletia que não se enquadrava no perfil mais tradicional Alentejano - maduro, concentrado, muito redondo - quando olhei para o mapa confirmei que Montargil fica na zona Norte do Alentejo (Ponte de Sôr) e, note-se, a norte de Lisboa. De facto, o vinho mostrava características (aromas, presença de boca, etc...) que encontramos muito facilmente na região do Tejo, o que não é de admirar, face à localização geográfica.

Mais do que o lado muito agradável do vinho, foi um momento em que comecei a olhar para o Alentejo de outra forma, mais sensível à geografia e aos diferentes Alentejos que esta região em mudança tem para nos dar a conhecer.

publicado por Ricardo Cruz às 17:24
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds