Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Herdade dos Grous 23 Barr...

. Le Bourgogne - Chardonnay...

. Vega Sicília Único 2003

. CARM Rabigato 2015

. Permitido - branco 2015

. Proibido - Tinto 2012

. Campolargo branco 2012 e ...

. Espumante Aliança Tinto

. Soalheiro Clássico 2015

. Paulo Laureano Premium Vi...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2015

Feijoada com Maria de Lourdes Branco

 Maria Lourdes_BR_10.JPG

Um prato que me aparece com muita frequência ao fim de semana é feijoada, neste caso, versão Tripas à Moda do Porto. Normalmente acompanho com vinho rosado com algum corpo, porque gosto da ligação de texturas. Mas a ideia não é ficar agarrado às mesmas harmonizações quando há tantas alternativas para testar. Esta opção era mais ou menos fácil de chegar, porque um branco mais elaborado com alguns anos acaba por suavizar um pouco a frescura da acidez e a textura mostra-se mais. Este Maria de Lourdes 2010 estava lá por casa e correspondia ao perfil, portanto, a rolha saltou e avançou-se com a harmonização.

O vinho estava em belíssima forma. Além de aroma ainda frutado, mas já com mais fruta branca do que tropical, com a ligeira mineralidade do Douro, a frescura na boca mantinha-se presente e equilibrava muito bem a textura mais cremosa do corpo. Termina longo, elegante, guloso, encantador.

Maria Lourdes_prato.JPG

A harmonização correspondeu positivamente. A ligação de texturas funcionou da mesma forma e quando a temperatura subiu um pouco ficou perfeita. Se o vinho estiver demasiado frio, o conjunto vinho e comida acaba por realçar a acidez e perde um pouco a elegância.

publicado por momenta às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Novembro de 2015

Vincent Gasnier - A Taste For Wine

Este livro foi verdadeiramente a minha primeira viagem pelos vinhos do mundo. Até agora li mais sobre a prova, técnicas e abordagens, mas a forma como o Master Sommelier Vincent Gasnier organiza o livro origina uma abordagem bem diferente. Esse aspeto acabou por ser determinante.

O livro fala-nos de vinho desde a videira até ao palato. Tem informação muito interessante sobre viticultura, vinificação, papel do enólogo, do produtor, etc... Quando chega à parte da prova, o desenvolvimento é efetuado por estilos e perfil de vinho. Assim, separa vinhos leves e fresco, frutados e aromáticos e depois os mais poderosos. Associa cada estilo às castas e regiões mais representativas dos diversos estilos nos diversos países (velho e novo mundo). Percebemos, então, o peso varietal nos vinhos internacionais, em contraposição à nossa tradição de lote. Apreciei especialmente esta estrutura, porque quando procuro harmonizar vinho com comida o perfil é um dos pontos críticos que suportam a decisão. Se o vinho é mais ou menos encorpado, taninoso, estágiado em madeira, perfumado, cítrico, fresco, etc...

Os nossos vinhos também apareceram, com os Vinhos Verdes no capitulo leves e frescos, Douro nos tintos frutados e aromáticos e Bairrada e Dão nos vinhos opulentos e de guarda. Poderei não concordar completamente, mas depende do que o autor provou.

Quando lemos um livro aprendemos sempre algo, neste caso em particular muito do que se faz pelo mundo. A afinidade com a definição de estilos foi a cereja em cima do bolo de uma leitura muito interessante. Um autor que mostrou grande conhecimento e partilhou de uma forma original. Gostei muito.

 

tags:
publicado por momenta às 19:34
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2015

Crasto 2010 e um coelho panado

V_Crasto_T_10.JPG

O almoço seria coelho panado, o que convidava a escolher um tinto. Estamos perante uma carne com sabor pouco forte, pouco marcado, portanto, tanto poderia pensar num tinto mais poderoso como noutro mais suave. O Crasto 2010 estava há 2/3 anos na cave para polir um pouco, suavizar a acidez e os taninos. Não sendo um vinho de guarda longa, decidi abrir. A cor mostrou um rubi perfeito, bem definido; no nariz encontrei o perfil frutado e floral característico do Douro, numa versão mais madura, mas ainda limpa. Na boca, corpo médio, taninos finos, bem envolvidos, toque de frescura, mas com a acidez já domada. Bom final, agradável, persistente. Ainda poderia ter ficado mais um ano ou dois para o ponto ótimo, mas estava num belo momento e deu muito prazer. Gostei bastante, foi boa opção esperar uns tempos. Para o meu gosto, claro.

V_Crasto_T_10_Prato.JPG

A harmonização foi a esperada, boa ligação, sem sobreposições. No entanto, mesmo com o tempo de descanso, a acidez ainda ficava em destaque no final. Nada que comprometesse o sucesso. Foi mais uma refeição muito agradável em família.

publicado por momenta às 13:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 

blogs SAPO

.subscrever feeds