Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Palmer's & Co Vintage 200...

. Quinta do Carmo 2014

. Dona Maria 1974

. Bafarela Grande Reserva 2...

. Quinta Cidrô Boal 2014

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Segunda-feira, 24 de Agosto de 2015

Casa Senhorial do Reguengo e Coelho panado

 Senhorial Reguengo EB_Vinho.JPG

O almoço seria coelho, carne que normalmente aproveito para ligar com tintos mais encorpados e taninosos. No entanto, estou no trimestre de verdes e espumantes, portanto, lembrei-me do espumante tinto extra bruto da Casa Senhorial do Requengo que estava a aguardar o momento certo para ser comprado.  É um dos melhores produtores de espumantes na região dos Vinhos Verdes e este tinto um ex-libris da casa (cerca de €12,50, na Garrafeira Vinho e Prazeres).

Revelou-se um belo espumante. A cor era rubi muito concentrada, opaca, a remeter-nos de imediato para a casta vinhão, rainha dos tintos da região. O nariz mostrou-se mais contido, mas na boca o vinho mostrou toda a sua qualidade. Sensação de volume, cremosidade e uma acidez em equilíbrio perfeito, que conferiu uma frescura exemplar. Muito bom, gostei muito, a reforçar o meu gosto crescente por espumantes tintos. São uma opção gastronómica muito interessante, pela versatilidade, alguma consensualidade entre as pessoas com quem partilho estes momentos e efeito de leveza no estômago que o espumante consegue.

Senhorial Reguengo EB_Prato.JPG

A harmonização foi muito boa, com destaque para a boa ligação entre a cremosidade do espumante e a suavidade da carne do coelho. Já ao nível de sabores o vinho estava um pouco mais forte do que o prato. Globalmente foi muito bem conseguida, os espumante são de uma versatilidade (repito...) magnífica.

publicado por Ricardo Cruz às 13:31
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Agosto de 2015

Quinta do Gradil Reserva Tinto e uma costelinha

Gradil_Reserva.JPG

Almoço de família ao fim de semana é oportunidade para provar algo novo e praticar as harmonizações. Nada de muito complicado, umas costelinhas de take away grelhadas em forno elétrico. Embora a carne de porco possa sair um algo seca, a parte da costela tem um pouco mais de gordura; por outro lado, são bocados pequenos que comemos aos poucos. Assim, pensei num perfil de tinto fresco e não muito encorpado. A primeira opção foi verde tinto, mas não tinha nenhum em casa nem tempo para comprar e refrescar. O que estava em casa era este Gradil Reserva 2010, que saiu com a Revista de Vinhos de julho. A região de Lisboa apresenta, sem dúvida, frescura e os tintos que conheço não são pesados. Sendo assim, avançou.

Cor muito intensa, determinada pela presença de castas tintureiras como Syrah e Alicante Bouschet certamente, aromas dominados por um perfil mais torrado e fruta preta. Boa frescura equilibrada na boca, corpo médio, taninos finos e com final médio e persistência via acidez. Gostei.

Costelinha_Gradil.JPG

A harmonização foi um sucesso, já que vinho e comida conviveram muito bem na boca. Apenas no final a acidez marcou um pouco. Mas num vinho jovem...

publicado por Ricardo Cruz às 17:25
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 18 de Agosto de 2015

Robin Sharma - O Monge que Vendeu o Seu Ferrari

RSharma_Monge.JPG

O autor deste livro, Robin Sharma, teve uma influência muito forte em mim nos últimos tempos. Comecei por contactar com o seu trabalho através de posts no facebook, depois inscrevi-me na mailing list e percorri os seus vídeos no You Tube. Recolhi uma série de ideias e práticas para melhorar a nossa vida que me ajudaram imenso. Com naturalidade comprei o livro que foi o seu primeiro grande sucesso, inspirado na transformação que o autor operou na sua própria vida.

Este é um livro de desenvolvimento pessoal, portanto, contactamos com um conjunto de princípios e táticas que têm como objetivo levar-nos a uma vida feliz e realizada. Continuo fascinado pela forma pragmática com que o tema é abordado. Nós, Latinos, somos mais emotivos do que os Anglo-Saxónicos, portanto, gerir a felicidade é algo ligado a emoções, sentimentos, aspetos abstratos. No entanto, principalmente do outro lado do Atlântico, a felicidade atinge-se através de um processo de gestão quase empresarial. Temos a nossa visão (o nosso sonho) e estabelecemos um percurso de pequenos passos, com objetivos parciais que nos levem à concretização. Paciência, determinação, foco, simplicidade, são alguns dos aspetos mais importantes para conseguirmos.

Assim, neste livro, Robin Sharma cria o personagem de um advogado viciado em trabalho, exemplo idolatrado de sucesso profissional, que após um ataque cardíaco em plena sala de tribunal repensa toda a sua vida. Vende os seu bens materiais, viaja para o Oriente e aprende um conjunto de ensinamentos milenares num mosteiro isolado em plenos Himalaias. Regressa, depois, a Nova Iorque para transmitir todo esse conhecimento. O livro não é mais do que o relato de toda essa sabedoria, o que inclui a filosofia e as ações a desenvolver para a implementar.

É um livro muito interessante, mais adequado para quem gosta desta temática do desenvolvimento pessoal, mas facilmente adotado por quem goste de pensar. Porque é isso que ele provoca: faz-nos pensar na nossa vida, se tomámos as opções corretas e como devemos desenhar o nosso futuro. Gostei muito. Li no período de férias, portanto, contribuiu para manter o cérebro ativo em termos de reflexão.

Qualquer pessoa encontrará motivos para apreciar o livro e retirar proveitos do tempo dedicado à sua leitura. Muitos anos passaram desde que foi escrito, portanto, acompanhar o trabalho do autor via redes sociais, blog ou You Tube é uma forma de contactar com as suas ideias mais recentes.

 

Original: The Monk Who Sold His Ferrari

Editora: HarperCollins Publishers, Ltd 1997.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 13:22
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds