Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Palmer's & Co Vintage 200...

. Quinta do Carmo 2014

. Dona Maria 1974

. Bafarela Grande Reserva 2...

. Quinta Cidrô Boal 2014

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Terça-feira, 21 de Julho de 2015

Mikhail Bulgakov - Margarida e o Mestre

Margarida e o Mestre.JPG

Posso iniciar por um enorme elogio ao livro: é possível falar sobre ele apenas numa frase e dizer tudo. Isto acontece quando estamos perante um nível tal de qualidade que se consegue a “simplicidade”. Não vou reduzir a uma frase, mas pouco mais acrescentarei.

Mikhail Bulgakov burilou um romance que nos remete para o género fantástico, já que nos conta a passagem do diabo pela Moscovo Soviética (intercalado com passagens em Jerusalém). No meio dos acontecimentos paranormais que satã e o seu séquito provocam na cidade percebemos uma mensagem ético-moral sobre o caráter humano, bem como uma fina ironia da burocrática, opressiva e detratora sociedade da altura. Há, no entanto, vitórias pela positiva: o longo e profundo arrependimento, bem como o amor arrebatador que faz tudo pela pessoa amada.

Se o conteúdo está lá, também a técnica é superior. O autor consegue agarrar o leitor e conduzi-lo numa leitura frenética e viciante até final, com uma consistência rítmica assinalável.

Naturalmente, este não é um espaço de crítica literária, apenas de sensações na ótica do leitor. Nesse aspeto, o que tenho a dizer é que adorei ler esta obra. É, sem dúvida, um grande romance, escolhido com todo o mérito para a coleção Mil Folhas, do jornal Público.

 

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 19:44
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds