Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Bafarela Grande Reserva 2...

. Quinta Cidrô Boal 2014

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

. Framingham Classic Riesli...

. Quinta do Vallado Field B...

. Herdade dos Grous 23 Barr...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2015

Burmester 10 anos, dos meus preferidos

Burmester_10_anos.jpgDe tempos a tempos provamos vinhos que nos encantam e percebemos que são um achado. É o caso deste Burmester 10 anos. Como sempre, esta ideia resulta do meu gosto pessoal, já que encontrei neste Porto muito do que gosto nesta tipologia em geral e foi um dos 10 anos de que mais gostei. Aromas dominados por café e frutos secos; na boca bom corpo, textura sedutora de untuosidade e suavidade, final médio, com retronasal irresistível a repetir os aromas. Nada de complicado, nada de transcendente, apenas aromas bem definidos, textura, volume e um encanto global que nos impede de parar de beber. Por menos de €20,00 temos um generoso de excelência, eis por que o considero um achado. Nota importante, este 10 anos foi engarrafado em 2007. Nem todos os 10 anos da Burmester serão assim, daí a importância desta informação no contra rótulo.

Como vou recordar este vinho: Um vinho que me apaixonou, com o qual me identifiquei. Inesquecível.

 

Vinho Burmester 10 anos Produtor J. W. Burmester & Cª
Tipo / Ano Vinho do Porto Opinião Excelente
Castas   Data Prova Janeiro 15
Região Vinho do Porto Preço Cerca €20,00 Garraf. Tio Pepe
publicado por Ricardo Cruz às 13:38
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2015

Cem Reis 2012 e uma carne deliciosa

V_Cem Reis_T_12.jpg

Este vinho apresenta muito do que associamos ao Alentejo, já que se mostra bem concentrado na cor, boa intensidade de aromas, corpo generoso, enfim, perfil de boas maturação e extração. O nariz é muito focado na fruta madura e especiarias, na boca mostra-se fresco e suave, com taninos redondos e bem envolvidos. Termina com boa persistência. Devemos notar que o vinho é um varietal de Syrah, casta internacional que tão bem se adaptou ao alentejo, que favorece essa concentração ao nível de cor e aromas. Como cereja em cima do bolo, é um vinho muito apelativo, que se bebe com muito prazer.

A harmonização foi com um prato de carne habitual, que passa pelo forno e apresenta uns bons nacos. Aproveito essa consistência para acompanhar com vinhos mais jovens e/ou taninosos, já que acompanham a força da carne e esta acomoda a potência do vinho. Neste caso, os taninos estavam bem envolvidos, redondos, portanto, tivemos mais um feliz encontro de texturas suaves.

Cem_Reis_Prato.jpgComo vou recordar este vinho: Um vinho cheio de força e concentração, mas muito polido e a dar grande prazer na prova. Gostei muito.

 

Vinho Cem Reis Produtor Herdade da Maroteira
Tipo / Ano Tinto 2012 Opinião Muito bom
Castas Syrah Data Prova janeiro 2014
Região Reg. Alentejano Preço  
publicado por Ricardo Cruz às 12:49
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015

Equipas de Alto Rendimento - Ricardo Fortes da Costa

Equipas_Alto_Rendimento.jpg

Regresso a um livro mais ligado à gestão e disponibilizado numa formação. Existe um preconceito, que me parece bem enraizado, de que as formações são muito teóricas e o regresso ao trabalho não vem acompanhado de novas práticas inspiradas nessas ações. Neste caso, não poderia estar mais longe da verdade.

A ação foi muito dinâmica e prática e logo na altura, quando percebi que o livro refletia os conteúdos da sala, fiz uma tag mental para o ler. O que Ricardo Fortes da Costa nos proporciona é um manual prático de como um líder de equipa deve abordar os principais componentes desta complexa relação profissional. Podemos separar o livro em 2 grandes blocos: primeiro sobre as pessoas e o segundo sobre o principais momentos da relação (reuniões, briefings, avaliação desempenho, etc...). E aqui marca uma grande diferença, já que identifica todos os passos e posturas a ter nessas situações. Tudo aparece organizado, sistematizado, com ferramentas de apoio, para que não falte nada a quem quiser melhorar a sua performance enquanto coordenador de equipas.

Além da componente prática, destaca-se outra vantagem. Percorrer o livro foi reviver conceitos, ou seja, uma espécie de revisão de conteúdos. Qual a consequência? Reforça a assimilação dos aspetos com que mais nos identificamos ou precisamos.

Revelou-se, então, uma leitura muito rica e prática, exatamente o que se precisa.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 19:08
link do post | comentar | favorito
|

Avinha-te, abifa-te e abafa-te: a problemática

A enfrenter sintomais gripais/resfriado, lembrei-me do ditado avinha-te, abifa-te e abafa-te. Que bom, nada como umas boas provas para animar um fim de semana caseiro.

Claro que essa satisfação durou apenas até ao espirro seguinte. Bolas, com o nariz congestionado como posso fazer provas? Vamos trocar a prioridade da degustação para a carteira e beber uns néctares mais acessíveis.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 13:14
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2015

François Martin - Saber Apreciar o Vinho

Francois Martin_Degustar Vinho.jpg

Este pequeno livro é especial: foi o primeiro livro sobre vinho que comprei. Estava no início desta aventura da degustação e as minhas compras eram feitas nos hipermercados, essencialmente com base no que lia nos rótulos. Nada de Revista de Vinhos, blogues ou outras fontes de informação especializadas; consumidor tradicional. Vi no Pingo Doce um livro pequeno, que custava €7,50, e trouxe-o para aprender um pouco mais sobre o tema.

O resultado foi excelente, porque é um livro que me tem acompanhado e a que volto com muita frequência. A pequena dimensão é ilusória, porque resulta de um poder de comunicação notável por parte do autor. Nota-se claramente que é alguém com conhecimentos sobre matéria e que, ao mesmo tempo, consegue transmitir de forma concisa e simples muitos dos conceitos específicos da degustação de vinhos. Esta é uma característica dos grandes professores, utilizando uma expressão popular: conseguem “trocar por miúdos”.

No início tudo era aprendizagem e uma leitura altamente informativa. Agora, que já conheço um pouco mais sobre o tema, usufruo do prazer de compreender o que está escrito, perceber de onde vêm aquelas ideias.

É um livro que me marcou, ajudou a evoluir e muito bem escrito, portanto, muito importante neste hobby da degustação de vinhos. Tudo isto por €7,50...

 

Título original: Savoir Déguster le Vin (2008, Éditions Féret)

Em Portugal: Editorial Presença, 1ª Edição 2009

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 18:27
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2015

Permitido - branco 2013

Permitido_Br_13.jpg

 A experiência recente no Douro do produtor Márcio Lopes começou com o tinto Proibido (já com duas edições), a que se juntou, em 2014, o branco Permitido. Varietal de Rabigato, uma das castas tradicionais da região, originárias de vinhas com 700 mts de altitude. Mostra-se essencialmente cítrico de aromas, com nuances minerais ao abrir. A presença de boca é o seu ponto forte, já que se mostra encorpado e texturado, o que transmite uma sensação de volume. Boa frescura, como seria de esperar de um vinho de altitude. Termina médio, com boa persistência. Estas características conferem-lhe bom potencial gastronómico, desde as carnes brancas até aos peixes no tacho ou forno. Gostei muito, é um vinho muito bem conseguido, apelativo, que não se consegue parar de beber, quer-se sempre mais.

Vinho Permitido Produtor Márcio Lopes Winemaker
Tipo / Ano Branco 2013 Opinião Muito bom
Castas Rabigato Data Prova dezembro 2014
Região Douro Preço €14,90 Garrafeira Nacional

 

 

publicado por Ricardo Cruz às 18:57
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds