Este blog é a materialização de duas necessidades humanas: expressar o que nos passa pela cabeça e guardar para consulta futura. Não possuo formação específica sobre as matérias abordadas, logo, este blog é apenas um espaço aberto de opinião.

.posts recentes

. Palmer's & Co Vintage 200...

. Quinta do Carmo 2014

. Dona Maria 1974

. Bafarela Grande Reserva 2...

. Quinta Cidrô Boal 2014

. Ventozelo Reserva 2014

. Castello D'Alba Vinhas Ve...

. Luís Pato Maria Gomes

. Langhe Nebbiolo 2010

. Ribbonwood Pinot Noir 201...

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

Terça-feira, 29 de Março de 2011

CARM - Códega Larinho 2009

Vinho CARM Códega Larinho
Tipo / Ano Branco 2009
Castas Códega Larinho
Região Douro DOC
Produtor Casa Agrícola Roboredo Madeira
   
Aspecto Límpido, amarelo
Nariz Complexo e vincado, floral e frutos tropicais. Por breves momentos, maracujá
Boca Bom corpo untuoso, acidez média, equilibrado, acompanha o nariz com destaque para o floral. Termina bem longo, com ligeira secura
   
Data Prova Fevereiro 2011
Nota 16,5
Preço Ronda os €8,00

 

Um vinho que nos conquista pelo seu perfil fora do vulgar. Altamente recomendável, por ser uma bebida muito agradável, mas também por ser um caso, que me parece raro, de um estreme de Códega Larinho. Com um pouco mais de acidez...

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 00:01
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 26 de Março de 2011

LER - Março 2011

Está de parabéns a nossa estimada revista LER, atingiu 100 edições. Para percebermos a dimensão deste feito basta lermos alguns dos cronistas e fica claro até que ponto se trata de um acontecimento raro e assinalável.

Num número dominado pelo 100, os artigos 100 capas, 100 livros, 100 figuras ou até 100 ideias para o futuro constituíram a espinha dorsal, além das sempre interessantes crónicas dos diversos colaboradores da LER. Como leitor, apenas, da actual encarnação da LER, dois destes grupos de 100 foram particularmente agradáveis: 100 livros, que me fez chegar opiniões publicadas em períodos anteriores, e, especialmente, 100 figuras, que juntou caras a uma base de dados que, em alguns casos, apenas dispunha de nomes. Em geral, acabou por proporcionar um jogo interessante: tentar identificar conteúdos de revistas que já tinha lido.

A capa da revista deixava água na boca: entrevista com George Steiner e o ensaio de Harold Bloom. Se o ensaio foi interessante, a entrevista é algo difícil de descrever. Contactar com a profundidade de George Steiner é um privilégio raro que a LER nos proporcionou. Destaco algumas ideias e citações simples, mas de grande impacto:

 

a) A literatura é impotente, quando o homem deixa de ser homem, como no gulag, Auschwitz… (…) A ficção falha quando tenta lidar com o mais inumano do homem…

b) 3 condições para ler: 1 – silêncio (os jovens têm medo do silêncio e actualmente é caro – os apartamentos não oferecem silencio, quando se houve tudo o que se passa na casa do vizinho); 2 – saber passagens de cor (ninguém nos pode tirar o que sabemos de cor, mas saber de cor com o coração, não com a cabeça); 3 – Privacidade (nesta altura não existe, tudo se confessa e de forma imediata)

c) 2 aspectos tornam impossível qualquer negociação com Islão: tratamento da mulher e a recusa da ciência. Cita Malraux que prevê o Séc. XXI como o século da guerras relgiosas

 

Enfim, mais haveria, mas não posso abusar na publicação de conteúdos que não me pertencem. De qualquer forma, não podia deixar de exemplificar o que provocou a classificação da entrevista como a minha peça preferida desta edição da LER.

Para concluir, renovados parabéns à LER e uma pequena profanação: Venham mais 100.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 00:20
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Março de 2011

Wine - Março 2011

Foi uma edição de alto risco. Um guia de restaurantes e bares do Porto, da página 56 à 124, é uma opção de coragem. À primeira vista, a interpretação que ocorre é: em mês de Essência do Vinho houve necessidade de gerir recursos e com um trabalho que pode ser feito com antecedência ocupou-se bastante espaço na revista. Ao mesmo tempo, serve de guia aos visitantes dos 3 dias de E.V. No que me diz respeito, a aposta foi ganha. Esta edição vai ficar bem acessível e prevejo várias consultas no futuro. Ainda há outro aspecto a destacar: este guia custa apenas €3,95.

Mas a Wine não fica pela restauração no Porto, outra peças agradaram particularmente:

- Castas Portuguesas, vai estar sempre aqui. Desta vez, Rabo de Ovelha;

- Tribute to Claudia, simplesmente por ser uma reportagem muito bem feita;

- Caves S. João, só as fotos despertam vontade de passar por lá. Quando adicionamos a descrição, uma invejável prova vertical e as respectivas classificações ficamos rendidos;

No final, mesmo numa edição atípica, ainda adicionei 10 vinhos à minha lista de compras prováveis (nota mínima 16 e preço máximo €10,00 - €12,00).

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 22:59
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Março de 2011

Revista de Vinhos - Março 2011

A edição de Março tinha como grande destaque de capa os tintos do Tejo, região com esta designação há dois anos, antes Ribatejo, cuja alteração se terá pretendido associar a uma nova dinâmica.

Em termos de conteúdos, os que se destacaram foram:

- Quinta dos Murças, pela abordagem de um grande produtor Alentejano no Douro, as características do local e pelos vinhos, que prometem;

- Tintos do Tejo, estes painéis transversais são uma bela promoção da região eleita, já que fornece ao leitor uma visão alargada dos produtores presentes, bem como belas pistas sobre os topos de gama e algumas boas compras (relação qualidade/preço). Anotei diversos vinhos apresentados para compra potencial;

 - Moscatel, este artigo é verdadeiro serviço público à divulgação da casta. Conteúdos mais pedagógicos logo no início, complementados por um belo painel carregadinho de boas compras. Muito bom;

- Quinta da Avessada, o texto exala uma paixão contagiante em todas as frases. Haverá algum leitor que não tenha ficado desejoso de passar por lá? Belo contributo para o enoturismo e certamente elogios bem merecidos para quem a fez existir;

- Álvaro Castro, apenas porque não lhe conhecia o percurso e algumas das histórias lá contadas.

Para o final o mais importante, o fim último, a promoção do consumo (moderado, claro) do vinho. O que compraria? Este mês, a RV bateu o record de contributos para a minha lista de vinhos a comprar, dentro do critério de nota mínima 16 e preço máximo €10,00 - €12,00: 20. Se os encontrasse todos teria vinho de qualidade para 6 meses.

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 23:33
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Março de 2011

Início

Nasce mais um blog na internet… Escreve-se mais um post incial… E o que se escreve num post inicial? Certamente o motivo da criação do blog e o que se pretende fazer, ou seja, a proposição (assim mesmo, à Lusíadas).

Este espaço tem um objectivo muito simples e claro: servir de repositório para momentos que eu queira guardar sob a forma escrita. Mas não tenho interesse num diário ou similar; a motivação para este espaço virtual é uma necessidade (mais do que mera vontade) de materializar sensações e/ou reflexões. Somos seres pensantes e eu cultivo a reflexão há muitos anos (aquela que está ao meu alcance, claro), pelo que a escrita surge como o meio natural para “dar vida” tudo o que se passa na nossa cabeça. Não no sentido catártico pontualmente envolvido em processos de escrita literária, mas simplesmente para mais tarde recordar.

Os temas mais frequentes serão leituras (livros e revistas) e vinhos e é importante realçar que não há qualquer aspiração a fazer crítica, mas apenas registar as ditas sensações/reflexões que aqueles momentos originaram.

A primeira história é a da escolha do nome, momenta. Passei por várias hipóteses e uma quase foi escolhida, barricardo, no entanto, havia coisas parecidas e achei um pouco redutor. Estava a pensar à volta de reflexões, sensações (sensações em barrica foi outra hipótese), mas quando cheguei a momentos achei que era isso. E entre alternativas vedadas e variações diversas ficou momenta que o Google traduz como “os momentos de”. Era preciso mais?

tags:
publicado por Ricardo Cruz às 20:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.pesquisar

 
blogs SAPO

.subscrever feeds